PERGUNTAS FREQUENTES

Transmissão

Como as doenças do Aedes, dengue, chikungunya e zika, são transmitidas?

A transmissão acontece através da picada do mosquito fêmea Aedes aegypti. Todas são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, mas há registros da transmissão do vírus da zika por via sexual, transfusão de sangue e de mãe para filho.

Só a fêmea do Aedes transmite a doença?

Sim. A fêmea precisa de sangue para a produção de ovos. Elas precisam ingeri-lo para realizar o desenvolvimento completo dos ovos e maturação nos ovários.

Só a fêmea pica?

Sim, pois a fêmea precisa de sangue para a produção de ovos.

Quantas pessoas um mosquito é capaz de infectar?

Ele é capaz de picar mais de uma pessoa para um mesmo lote de ovos que produz. Há relato de que um só mosquito infectivo transmitiu dengue para cinco pessoas de uma mesma família, no mesmo dia.

Todo mundo que é picado pelo mosquito Aedes aegypti fica doente?

Não. O mosquito precisa estar infectado com o vírus para servir de vetor para doenças.

Existe medicamento específico para combater ou prevenir as doenças transmitidas pelo Aedes?

Não. Por isso é importante procurar imediatamente um serviço de saúde e não tomar medicamentos por conta própria.

Prevenção

Quantas vezes por semana devo checar se há criadouros de aedes na minha casa?

Pelo menos uma vez por semana para interromper o ciclo de vida do mosquito. Em condições ambientais favoráveis, após a eclosão do ovo em contato com a água, o desenvolvimento do mosquito até a forma adulta pode levar um período de 10 dias.

Como denunciar os focos do mosquito?

Quando o foco do mosquito é detectado e não pode ser eliminado pelos residentes e frequentadores de um determinado local, a Secretaria de Saúde do DF deve ser acionada por meio da Vigilância Ambiental. Comunique o foco aqui.

Como posso evitar a picada do mosquito?

O uso do repelente, de calça e camisa de manga comprida com cores claras podem ajudar.

Tela mosqueteira funciona para evitar o mosquito?

Sim, é possível evitá-lo com telas nas janelas, pois as mosqueteiras atuam como barreiras físicas. Porém, a eliminação dos possíveis focos de reprodução do Aedes aegypti é a medida mais eficaz.

Doenças

Quais são os sintomas das doenças transmitidas pelo Aedes?

A doença varia de gravidade e pode ser assintomática, mas os sintomas mais recorrentes são dor de cabeça, febre alta e de início abrupto (39˚ C a 40˚ C), dores no corpo e atrás dos olhos, fraqueza e náuseas. Em sua forma mais grave, a doença ainda provoca dores abdominais intensas, vômitos persistentes e sangramento nas mucosas.

O que fazer se estiver com os sintomas das doenças?

Não se automedique. Há medicamentos que são proibidos, principalmente se for dengue. Veja a lista abaixo. Procure o serviço de saúde mais próximo, repouse e beba bastante líquido. Na presença de sinais de alarme e choque, procurar imediatamente atendimento em unidade hospitalar.

Como se prevenir das doenças transmitidas pelo Aedes?

Elimine os focos de proliferação do mosquito Aedes aegypti, não deixe água parada em pneus, garrafas ou vasos, verifique se a caixa d’água está devidamente fechada, lave com escova as paredes de algum recipiente que possa conter líquidos. Use repelente.

Existe testes disponíveis para o diagnóstico das doenças transmitidas pelo Aedes?

Os testes rápidos para dengue e chikungunya foram incluídos na tabela do Sistema Único de Saúde (SUS) e são distribuídos pelo Ministério da Saúde para estados e municípios. O SUS também já oferece o teste rápido para o zika vírus. É feito em gestantes e nas crianças que têm até 1 ano de idade, com resultado em até 20 minutos. O objetivo é verificar a possível contaminação e possibilitar imediato acompanhamento do caso. São 2 testes em 1. O primeiro identifica se o cidadão está com o vírus, já o segundo observa se ele já foi portador do vírus em alguma fase da vida. Por decisão da Agência Nacional de Saúde Suplementar, o teste da zika devem ser cobertos pelos planos de saúde.

Há disponibilidade de vacina contra as doenças transmitidas pelo Aedes?

Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais estão tentando produzir o que pode ser a primeira vacina no mundo diretamente contra o Aedes aegypti. Atualmente, o que existe de concreto já são vacinas em teste para cada tipo de doença. Dessa maneira, a empreitada da UFMG poderá resultar na primeira vacina produzida no mundo para combater de forma simultânea as doenças transmitidas por esse mosquito.

Dengue: não há disponibilidade no SUS, ainda em desenvolvimento. O Ministério da Saúde entrou na terceira e última fase de testes clínicos da vacina tetravalente contra a dengue. Acredita que a partir de 2018, conseguirá distribuir pelo SUS. O composto A vacina imunizará contra quatro tipos de dengue. Testes comprovaram que é mais eficaz do que a vacina produzida por laboratório particular, liberada pela Anvisa no fim do ano de 2015 e disponível na rede privada. São necessárias três doses.

Zika: não há disponibilidade no SUS, ainda em desenvolvimento. Em agosto de 2017, Ministério da Saúde divulgou que após testes bem-sucedidos em animais, a vacina segue para a fase de testes em humanos, que deve se iniciar após a produção dos lotes clínicos, avaliações pré-clínicas e a aprovação do estudo pelo comitê de ética da Fiocruz/Biomanguinhos. Os dados já foram divulgados na revista Nature Communications. A expectativa dos cientistas é que ela esteja disponível à população até o fim de 2019

Chikungunya: Até o momento não existe vacina disponível contra chikungunya, apenas estudos e pesquisas estão em andamento.

Febre amarela: a vacina já é disponibilizada pelo SUS.

Animais domésticos, como cães e gatos, também podem ser infectados?

Não, o vírus da dengue só se manifesta em primatas.

É possível diferenciar a picada do Aedes aegypti da de um mosquito comum?

Não. A picada do Aedes e o desconforto tópico são simulares aos sintomas causados pela picada de qualquer outro mosquito.

Gestantes

Quais são os cuidados básicos que toda gestante deve tomar?

Para evitar o Aedes, elimine criadouros, vista roupas compridas e meias, instale telas em portas e janelas e use repelente, sempre. Várias marcas podem ser usadas durante a gestação. O mais indicado é o que tem icaridina (Exposis), pois dura até 10 horas. Como o vírus da zika é transmitido por fluidos durante a relação sexual, é indicado o uso de camisinha.

Gestante pode usar repelente?

Sim. Os repelentes de uso tópico, aplicado na pele, podem fazer parte dos cuidados contra dengue, chikungunya e zika. A recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é clara: não há qualquer impedimento para a utilização desses produtos por mulheres grávidas, desde que os repelentes estejam devidamente registrados na agência.

Se a gestante contrair o zika, qual é o risco de o bebê ter microcefalia?

Ainda não se sabe qual o percentual de gestantes com zika que acabam por ter filhos com microcefalia, nem se já ter tido o zika antes de engravidar é um fator protetor. As pesquisas recentes mostram que a doença pode causar danos ao cérebro do bebê em qualquer fase da gravidez.

A doença pode ser transmitida pelo leite materno?

Até o momento, não há evidências sobre essa transmissão.

Como reconhecer o mosquito Aedes aegypti?

O Aedes é similar a um pernilongo comum, mas se diferencia pelo corpo rajado de branco e preto e pelo hábito de picar durante o dia.

Qualquer inseticida pode matar o mosquito da dengue?

Sim, entretanto, os inseticidas só surtem efeito na forma adulta do mosquito. Portanto, a eliminação dos possíveis focos de reprodução do Aedes aegypti é a medida mais eficaz.

Medicamentos Contraindicados

Salicilatos e salicilamida

Os medicamentos ácido acetilsalicílico, ácido salicílico, salicilato de sódio, metilsalicilato, diflunisal e salicilamida em composição única ou associados a outros princípios ativos são proibidos em suspeitas de dengue. Eles são naturalmente anticoagulantes, aumentando as chances de hemorragias, podendo ser confundidas com a Febre Hemorrágica da Dengue. Com tantos nomes comerciais, até os profissionais de saúde podem se questionar se um medicamento tem ou não tais princípios ativos. Na dúvida, basta consultar a Anvisa para saber quais são os nomes comerciais dos medicamentos.

Confira abaixo uma lista com nomes comerciais mais conhecidos de alguns medicamentos que não devem ser comprados em suspeita de dengue:

AAS Ácido acetil salicílico Anacetil Analgesin Aspirina Aspirina Impact Aspirina Prevent Bayaspirina Benegrip Bufferin Cafiaspirina Cardioaas Cheracap S Cibalena A Coristina D Doril Engov Excedrin-E Furp Gripin C Lepemc AAS Melhoral C e infantil Mialgin Prevencor Salicetil Salisvit C Sinutab Somalgin Sonrisal Superhist Vasclin Vita Grip

Outros anti-inflamatórios não-hormonais (Aines)
Indometacina Diclofenaco Naproxeno Ibuprofeno Cetoprofeno Fenbufeno Piroxicam.

Paracetamol (em alguns casos)

Segundo a Anvisa, “O paracetamol é contraindicado para portadores de doenças hepáticas, imunossupressoras e AIDS. O vírus do Dengue, especialmente a forma hemorrágica da doença, provoca necrose hepática podendo evoluir para falência do órgão.”

Corticoides

Vários estudos com corticoides não foram eficazes ou foram inconclusivos contra a dengue. Portanto, a recomendação atual é não tomar medicamentos a base de corticoides em suspeitas de dengue.

AINDA COM DÚVIDAS?